Fábricas estão trabalhando desde o ano passado para atender a demanda. Recuperação da economia e data em que a Páscoa cai contribuem para o otimismo do setor.

Comerciantes em Gramado estão otimistas com vendas para feriado da Páscoa

Comerciantes em Gramado estão otimistas com vendas para feriado da Páscoa

Comerciantes em Gramado estão otimistas com vendas para feriado da Páscoa

A uma semana da Páscoa, os fabricantes de chocolate de Gramado, na serra gaúcha, estão otimistas com as vendas desse ano. A expectativa do setor para este ano é crescer 10% nas vendas.

As lojas apostam em uma oferta variada de produtos: desde barras pequenas até ovos grandes, com direito a venda a granel e até chocolate funcional, para conquistar quem não quer perder a boa forma.

“Funcionais é hoje em dia o que o cliente procura, né? Ele quer comer chocolate mas ele também quer uma propriedade que vai lhe fazer muito bem, um diferencial”, diz a gerente Paula Kohl.

Para oferecer tantas novidades, as empresas já estão a todo vapor. “A gente já termina o Natal, ali no final de dezembro, e começa a produção de Páscoa. Porque hoje, para poder atender essa demanda que a gente tem, precisa começar antes”, diz o gerente industrial de uma fábrica de chocolates, Anderson Vidal. A expectativa dele é vender cerca de 100 toneladas dos produtos até a Páscoa.

O bom momento está refletido na projeção otimista do setor. A Associação dos Fabricantes de Chocolate de Gramado espera crescimento de pelo menos 10% nessa Páscoa em relação a 2018. Somente nas oito fábricas associadas, 1,8 mil toneladas serão produzidas.

A associação aposta na retomada da economia e na data em que a Páscoa cai neste ano para as boas vendas: conforme eles, sempre que cai na segunda quinzena de abril, as vendas são melhores.

Pra crescer ainda mais, com garantia de produtos bons, os fabricantes buscam um selo de qualidade junto ao Instituto nacional da Propriedade Industrial (INPI). A expectativa é de que seja emitido até a metade do ano.

“Existe muita pirataria. Às vezes a pessoa fabrica chocolate fora de Gramado dizendo que é de Gramado. Então, com o selo, nós poderemos provar que realmente aquele que tem o selo é um chocolate diferenciado”, garante o presidente da associação, Altamiro Ferreira de Lima.