Com a transação, SulAmérica irá concentrar seus negócios nos segmentos de saúde, odontologia, vida e previdência.

Sede da SulAmérica no Rio de Janeiro — Foto: Divulgação/SulAmérica
Sede da SulAmérica no Rio de Janeiro — Foto: Divulgação/SulAmérica

A SulAmérica informou nesta sexta-feira (23) que vendeu seus segmentos de auto e ramos elementares para a alemã Allianz, por R$ 3 bilhões, para concentrar seus negócios nos segmentos de saúde, odontologia, vida e previdência.

Já a Allianz afirmou que com a aquisição se tornará uma das três principais seguradoras no país e assumirá a segunda posição no mercado de seguros de automóvel, ampliando a presença geográfica no país.

As atividades de auto e ramos elementares da SulAmérica serão descoladas e formarão uma nova empresa, que passará a operar separadamente e, na conclusão do negócio, será transferida para a Allianz. O patrimônio líquido dessa nova seguradora é avaliado em R$ 700 milhões, segundo o Valor Online.

“A Allianz não estará comprando uma carteira (de clientes), mas sim todo um conhecimento de operações, know-how e equipes”, disse o presidente da SulAmérica, Gabriel Portella.

A conclusão da transação está condicionada ao cumprimento de algumas condições, incluindo a aprovação prévia dos órgãos reguladores e anticoncorrenciais competentes, e deve levar até 12 meses.

Foco em riscos pessoais

A SulAmérica afirma que a venda reforça seu posicionamento estratégico concentrado nos seguros contra riscos pessoais, ou seja, nos segmentos de saúde, odontologia, vida e previdência, além da relevante operação de investimentos. Essas áreas representaram cerca de 85% do faturamento consolidado do grupo no primeiro semestre deste ano.

Assim, no futuro, a companhia não deve mais operar no segmento de riscos patrimoniais.

Já a Allianz diz que está entre os três maiores grupos globais de seguradores de ramos elementares. “Com cerca de 15% de market share em seguro de Automóvel e 9% em Ramos Elementares, a Allianz se estabelecerá na segunda posição em auto”, afirma em comunicado.

A duas unidades da SulAmérica compradas pela companhia pagaram um total de aproximadamente R$ 3,6 milhões (806 milhões de euros) em 2018 – R$ 3,4 bilhões relativos à carteira de automóvel e R$ 202 milhões às operações de ramos elementares.

Os seguros elementares cobrem perdas e danos sobre objetos variados (como residências, máquinas e equipamentos) e também sobre pessoas (desde que não caracterize seguro de vida).

SulAmérica não descarta aquisições

A SulAmérica destaca, em comunicado, que a venda representará “um montante adicional e relevante de liquidez para a companhia aproveitar oportunidades de crescimento orgânico e inorgânico no futuro”.

O presidente da companhia, Gabriel Portella, diz que há planos para investir em áreas como a de transformação digital e também em “oportunidades estratégicas” e não descarta aquisições. “[A operação] vai alavancar ainda mais as oportunidades de investimentos. Eu diria que estaremos mais atentos [a possíveis novos negócios]”, afirmou.

Para o cliente, nada muda por enquanto

Até a efetiva conclusão da transação, as duas empresas continuarão a conduzir seus negócios de forma independente. Portanto, clientes, corretores, assessorias, fornecedores, colaboradores não devem esperar quaisquer alterações na administração e relações comerciais, fornecimento e oferta de produtos da SulAmérica.

“Os canais de comunicação com o cliente, as formas de emitir e com quem comprar [os seguros de auto e ramos elementares], o telefone não muda, os apps e os portais também”, disse André Lauzana, vice-presidente comercial e de marketing da SulAmérica.