O Rio Grande do Sul acumula 247.576 testes positivos de coronavírus. Casos fatais totalizam 5.797

A mais recente atualização da estatística oficial da pandemia no Rio Grande do Sul acrescentou neste sábado (31) mais 1.356 testes positivos e 29 mortes provocadas pelo coronavírus. Com isso, os casos fatais da doença – que já atinge todos os 497 municípios gaúchos chegaram a 247.576 desde março no Estado, com 230.142 recuperados (93%) e 5.797 desfechos fatais.

De acordo com o balanço da SES (Secretaria Estadual da Saúde), os novos óbitos por Covid abrangem vítimas com idades entre 36 e 97 anos. Mas continua inalterado o predomínio de idosos entre as perdas humanas para a pandemia, aspecto reiterado pela alta proporcionalidade: dos 29 falecimentos, apenas seis tinham menos de 60 anos, o que representa cerca de 20%.

Confira, a seguir, a lista de mortes, que menciona o município de residência (por ordem alfabética), gênero (feminino ou masculino) e idade.

– Cachoeirinha (mulher, 40 anos);

– Cachoeirinha (homem, 66 anos);

– Canoas (homem, 71 anos);

– Canoas (mulher, 83 anos);

– Caxias do Sul (mulher, 78 anos);

– Cidreira (homem, 71 anos);

– Cruz Alta (homem, 57 anos);

– Flores da Cunha (homem, 79 anos);

– Gravataí (homem, 73 anos);

– Gravataí (mulher, 82 anos);

– Gravataí (mulher, 68 anos);

– Ijuí (mulher, 42 anos);

– Novo Hamburgo (homem, 63 anos);

– Novo Hamburgo (homem, 58 anos);

– Novo Hamburgo (mulher, 87 anos);

– Porto Alegre (homem, 90 anos);

– Porto Alegre (homem, 84 anos);

– Porto Alegre (mulher, 81 anos);

– Porto Alegre (mulher, 85 anos);

– Porto Alegre (mulher, 91 anos);

– Porto Alegre (homem, 48 anos);

– Porto Alegre (homem, 72 anos);

– Porto Alegre (mulher, 81 anos);

– Porto Alegre (mulher, 69 anos);

– Porto Alegre (homem, 36 anos);

– Santa Maria (mulher, 77 anos);

– Tramandaí (homem, 84 anos);

– Três Cachoeiras (mulher, 79 anos);

– Viamão (mulher, 97 anos).

Distanciamento controlado

O Comitê de Crise do governo gaúcho aguarda até a manhã deste domingo (1º) o envio de recursos por parte de prefeituras e associações regionais contra o novo mapa provisório do sistema de distanciamento controlado, divulgado na sexta-feira e que mantém apenas uma área do Rio Grande do Sul sob bandeira vermelha (alto risco epidemiológico para coronavírus): a região de Santa Rosa.

Caso não sejam enviados pedidos de reconsideração ou o Palácio Piratini rejeite eventuais solicitações com tal finalidade, a vigésima-sexta rodada do modelo, adotado desde maio, deve manter as outras 20 regiões do Estado sob status laranja (risco médio).

Conforme já é praxe, a configuração definitiva será formalizada na tarde de segunda-feira (2) e entra em vigor na primeira hora do dia seguinte, válida por uma semana. Os dados estão disponíveis de forma detalhada no site distanciamentocontrolado.rs.gov.br.

A região de Santa Rosa passou do laranja para o vermelho por registrar, ao longo da última semana, 19 hospitalizações confirmadas por Covid-19, contra cinco nos sete dias anteriores. Na quinta-feira (29), quando os dados foram fechados, dez pacientes da doença ocupavam leitos clínicos, contra três da quinta-feira anterior. A região também apresentou redução de 20 para 18 leitos de UTI livres.

Cruz Alta, que também integra a macrorregião Missioneira e estava sob bandeira vermelha, conseguiu reduzir os registros de hospitalização por Covid-19 entre uma semana e outra. No acumulado dos últimos sete dias, essa área do Estado teve 14 registros, quando antes somava 26 casos.

(Marcello Campos)