Gastos correntes de 14 Estados e do DF cresceram mais que a arrecadação, aponta Tesouro

Os gastos correntes de 14 Estados e do Distrito Federal cresceram mais do que a arrecadação. Os dados foram divulgados pelo Tesouro Nacional e são referentes ao período de setembro de 2017 e agosto de 2018.

O principal componente de custos nos governos regionais é a folha de pagamento dos servidores. O Rio Grande do Sul, por exemplo, gasta cerca de 81% das receitas totais com pessoal e encargos. Já o Distrito Federal registrou um crescimento de 21% das despesas já concretizadas, o maior entre as unidades federativas.

Por outro lado, a arrecadação cresceu apenas 13% no mesmo período. Na última semana governadores eleitos se reuniram em Brasília e apresentaram uma série de demandas ao governo federal. A maior parte das pautas amplia repasses aos Estados pela União, que também opera com as contas no vermelho.

O relatório do Tesouro aponta ainda que cerca de um terço das receitas de 14 Estados é referente aos repasses do Governo federal.

Em cinco desses Estados, mais da metade da receita é proveniente de transferências federais. Já entre os Estados considerados os mais independentes, o Rio de Janeiro ocupa o primeiro lugar, gerando 91%o de receitas próprias. O Estado de São Paulo fica em segundo lugar, com 89% das receitas obtidas por geração própria.

*Informações da repórter Larissa Coelho