Feriado prolongado de praias lotadas divide moradores e turistas e preocupa prefeituras

Sol forte e praia lotada. Assim tem sido o feriado prolongado em boa parte do país e nesta segunda-feira, 7, não deve ser diferente. Em alguns pontos do Rio de Janeiro neste domingo, quase não se via a areia. A técnica administrativa Vera Lucia se espantou com a multidão. “Eu acho que é um absurdo essa praia estar cheia desse jeito, existe uma lei e ela deve ser cumprida para preservar o próximo, né?”, questiona a moradora. O Mateus da Silva Santos sabe do risco da aglomeração, mas só queria aproveitar. “Ah, medo a gente tem, mas a felicidade de estar na praia fala mais alto”, afirma. A prefeitura do Rio, inclusive, fez um apelo para que a população seguisse as regras de distanciamento. No litoral de São Paulo a situação não foi diferente. Na Praia Grande, os banhistas tomaram conta da areia, mas havia espaço. Em Santos, mais de 40 pessoas foram multadas por estarem sem máscara. Segundo o prefeito da cidade, Paulo Alexandre Barbosa disse que o movimento foi dentro do esperado.

“Apelamos é para a consciência de todos, ao sair de casa utilize  máscara, não faça aglomeração. A pandemia não acabou e para vencer cada uma das etapas é preciso ter consciência coletiva”, afirma. Com o forte calor neste domingo, os paulistanos não pararam em casa. Na Avenida Paulista, as calçadas estavam cheias e os restaurantes lotaram. As ciclovias de vários pontos da cidade também ficaram cheias. O movimento foi intenso na região do Parque Ibirapuera, que está fechado nos fins de semana e feriados. Nas calçadas, muita gente estava sem máscara e não respeitou as normas de distanciamento. No sábado a taxa de isolamento social ficou em 42% no Estado e 43% na capital.

*Com informações do repórter Afonso Marangoni