BNDES abre consulta pública para empresas interessadas em elaborar projetos do Cais Mauá


Projeto de Estruturação Imobiliário de revitalização busca fazer diagnósticos técnicos e jurídicos e estudos de inteligência de mercado e de vocação imobiliária. Portaria que retirou o Cais do Porto da poligonal portuária, de responsabilidade da União, começa a valer nesta segunda (2). Cais Mauá, em Porto Alegre
Jonas Campos/RBS TV
O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) está com uma consulta pública aberta para empresas interessadas na elaboração dos estudos especializados relativos ao projeto de revitalização do Cais Mauá. O processo, que começou no dia 28 de outubro e vai até 11 de novembro, irá selecionar o melhor uso para a área.
O Projeto de Estruturação Imobiliário de revitalização do Cais Mauá, em Porto Alegre, consiste em realizar diagnósticos técnicos e jurídicos, estudos de inteligência de mercado e de vocação imobiliária, inclusive a elaboração de um plano de ocupação da área, para a definição do modelo de negócios.
“Esperamos que, em breve, o cais possa ser um novo espaço de convivência para a população de Porto Alegre e de todo o estado”, afirma o coordenador da Comissão de Desestatização do Cais Mauá e servidor da Secretaria de Governança, Planejamento e Gestão (SPGG), Juliano dos Santos Greve.
Na semana passada, uma portaria do governo federal, que começou a valer nesta segunda-feira (2), retirou o Cais do Porto de Porto Alegre da poligonal portuária, de responsabilidade da União.
Na prática, isso significa que o governo estadual, que já é proprietário da área portuária da Capital, não precisará se submeter à Lei dos Portos e à autorizações da União para intervenções na área.
Ainda antes da seleção da consultoria que realizará o trabalho, deverá ser assinado o contrato específico entre governo estadual e BNDES para a sequência do projeto. A estimativa da administração é de que seja firmado até o final de 2020.
Segundo o governo, a partir dos resultados do trabalho a ser realizado pela consultoria contratada, o governo poderá decidir qual o melhor caminho para exploração do Cais Mauá, seja por concessão, alienação, PPP ou outros tipos de negócios possíveis.
Veja os destaques em G1 RS: