Alimento fundamental para os bebês, o leite materno deve ser fornecido mesmo por mães infectadas pelo coronavírus

Por Redação O Sul | 20 de agosto de 2020

Reconhecido pelos inúmeros benefícios aos bebês, o leite materno deve ser mantido e estimulado mesmo em tempos de pandemia de coronavírus. Esse aspecto é ressaltado pela SMS (Secretaria Municipal de Saúde) de Porto Alegre, com base em recomendações da OMS (Organização Mundial da Saúde), e vale inclusive para mães com teste positivo para Covid, sintomáticas ou não.

Conforme a médica de família da rede municipal, Sara Koefender Castro, a continuidade do fornecimento de leite materno nesse tipo de caso exige a adoção de cuidados fundamentais. Isso inclui uso de máscara e higienização do seio e das mãos (com água e sabão ou sabonete).

“Uma alternativa às mães com suspeita ou confirmação da doença e que não se sintam confortáveis para amamentar é extrair o líquido para que outra pessoa saudável o forneça à criança, também com os devidos cuidados sanitários”, explica a profissional. “Nesse caso, o leite pode ser oferecido usando copinho, xícara ou colher.

A mãe poderá retomar a amamentação normalmente assim que estiver recuperada (sem manifestação de sintomas a partir de 14 dias desde a confirmação do contágio).

De acordo com o Ministério da Saúde, o leite materno não transmite o coronavírus e ainda protege contra outras infecções, tais como diarreia, pneumonia, otite, asma, diabetes e obesidade, além de favorecer o desenvolvimento físico, emocional e a inteligência. Além disso, se a criança em fase de amamentação contrair a Covid, a gravidade da infeção tende a ser menor.

Outro aspecto a salientar é que os movimentos que o bebê faz ao retirar o leite do peito são um exercício importante para a boca e os músculos do rosto. Isso a ajudará na respiração, mastigação, fala e alinhamento dos dentes.

Cuidados especiais

Especialistas em saúde recomendam algumas medidas para reduzir as chances de que o ato de amamentar acabe se tornando um vetor de transmissão do coronavírus aos bebês, inclusive no caso de mães infectadas porém assintomáticas.

– Lavar as mãos com água e sabão por pelo menos 20 segundos antes e depois de ter contato com o bebê;

– Utilizar máscara de tecido durante a amamentação, cobrindo completamente a boca e o nariz;

– Evitar ao máximo falar ou tossir durante a amamentação;

– Não permitir que o bebê toque a boca, nariz, olhos e cabelos da mãe;

– Troque a máscara após cada espirro, tosse e também a cada nova mamada;

– Caso a mãe não disponha de máscara facial, utilizar um pano limpo cobrindo nariz e boca durante a amamentação;

– Com exceção do momento da amamentação, manter distância de 1,5 metro do bebê;

– Ao espirrar ou tossir, usar lenço de papel e fazer o descarte de forma imediata. Em seguida, lavar mais uma vez as mãos com água e sabão;

– Limpar e desinfetar regularmente as superfícies;

– Em relação aos demais cuidados com o bebê (banho, sono e troca de fraldas, por exemplo), a tarefa deve ser realizada por outra pessoa da casa, sem sintomas ou confirmação de Covid-19;

– Caso a mãe se sinta insegura em amamentar enquanto estiver doente, pode retirar o leite em um frasco para ser ofertado à criança:

– Lavar as mãos por pelo menos 20 segundos antes de retirar o leite materno (extração manual ou com a bomba extratora);

– Siga as orientações para retirar e armazenar o leite materno (confira link);

– Se necessário, pedir ajuda de uma pessoa saudável, sem suspeita ou confirmação da doença, para oferecer o leite materno em copinho, xícara ou colher para o bebê. Mamadeiras devem ser evitadas.

(Marcello Campos)

Print Friendly, PDF & Email